Pesquisar este blog

terça-feira, 8 de maio de 2012

Insalubridade: Teimosia e Convivência

             Algumas pessoas têm a capacidade de serem Perseverantes sem no entanto, serem Teimosas, ao contrário, outras insistem na Teimosia e em nada Perseveram. 

          Se melhor observamos o que o dicionário pode esclarecer um pouco, temos:

            Perseverança

           (latim perseverantia, -ae)


            s. f.

           1. Qualidade ou ação ! de quem persevera.

           2. Constância, firmeza, pertinácia.

           3. Duração aturada de alguma coisa.

            Teimosia

            s. f.

            1. Qualidade do que é teimoso.

            2. Obstinação.

            3. Birra.





      Podemos então exemplificar que o Teimoso insiste no erro, o Perseverante aprende com ele e continua a agir.

          Esta aplicação foi para ilustrar uma situação que acaba por persistir em Grupos de Discussão, Profissionais já formados e alunos, onde a grande questão é a insistência em se identificar o Adicional de Insalubridade para uma Função, Setor ou Condição de Trabalho, sem que ao menos seja apresentada um trabalho que tenha demonstrado ser indissociável o Risco da atividade e não são possíveis mais adotar medidas para eliminá-lo ou atenuá-lo. 
  
            Vemos no PPRA / PCMAT / PGR os grandes responsáveis em poder ser revertida esta situação, desde que elaborados com pleno atendimento as suas NR´s específicas.

            Dentre eles, o PPRA por ser elaborado em muitos dos segmentos de trabalho, onde hoje constantemente acaba sendo solicitado em Grupos de Discussão Modelos de vários tipos:

            1. PPRA para Pérfuro Cortante;
            2. PPRA para Espaços Confinados;  
            3. PPRA de Pet Shop;
            4. PPRA de Marmoria;
            5. PPRA de Daquilo que não sei Elaborar...

             Vamos desde a pedidos absurdos a uma total demonstração de que o profissional que solicita realmente não sabe elaborar este Programa, ficando bem claro que será empregado o famosos processo "Ctrl C e Ctrl V".

             Quando ainda nos deparamos com alguns destes PPRA´s temos em vez de um Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, um Programa de Convivência com os Riscos Ambientais, visto que somente adotam em seu Documento Base medidas de utilização de EPI e Treinamentos.

          Existem casos em que já apresentaram PPRA de 1 folha ou PPRA parecendo um livro de tão grosso, achando que esta condição faz alguma diferença e ainda alguns com toda a NR-9 inserida ou paracendo uma apostila de Curso Técnico.

         A questão é que temos muitos profissionais (Técnicos e Engenheiro de Segurança) sendo lançados no mercado de trabalho sem que ao menos saibam elaborar um PPRA, daí vale uma reflexão quanto aos Professores (ensinar realmente e não somente passar a matéria) e as Instituições de Ensino estarem querendo realmente formarem profissionais ou angariar mais alunos.

          Ainda dá tempo para reverter esta situação, depende do envolvimento de todos (alunos, Professores e Escolas) e até mesmo de uma profunda revisão no sistema de ensino para estes Cursos, visto que suas grades já se encontram severamente defasadas em relação ao dinâmico mercado de trabalho e a própria legislação.