Pesquisar este blog

terça-feira, 15 de outubro de 2013

Dia dos Professores (A todos os Mestres...)

A relação entre Aluno – Professor é certamente um dos pontos marcantes durante a formação do profissional, pois é nela temos os professores a serem lembrados a todo o momento como mentores e, principalmente, pela a entrega e dedicação que o mesmo promove em favor dos alunos, multiplicando o conhecimento.


Temos também aqueles professores que, não comprometidos com a proposta de difundir conhecimento, procuraram reter e até mesmo não incentivar aqueles alunos sob sua tutela a se tornarem profissionais.

Então, não somente o aluno que quer, mediante o comprometimento com o estudo e seu aprendizado, a mudança de sua condição de trabalho e financeira, como também o aluno que se matricula, paga pelo curso (na maioria dos casos) e comparece uma vez ou outra às aulas, certamente somente se preocupando com as faltas e suas notas de modo a não se comprometer para concluir o curso.

Por fim, ainda temos aqueles alunos que ficam entre o comprometimento e o relaxamento em certos momentos.

A química do relacionamento entre esses cinco personagens forma o atual universo com que deparamos nas escolas e faculdades de um modo geral.

Não queremos aqui apresentar um modelo perfeito para solucionar esse problema, mas sim sugerir ao aluno uma prática que dificilmente vemos nesse meio: aproveitar os momentos de aula para absorver o máximo de conhecimento possível junto ao professor, e ver ali, naquele momento, a grande oportunidade de dirimir suas dúvidas, de expandir seu conhecimento, pois se entende que, o profissional intitulado “Professor” possui conhecimento e, principalmente, experiência e vivência suficiente para contribuir na formação do futuro profissional da área de Segurança ou Medicina do Trabalho.


Aproveitarem, tanto o aluno como o professor, os momentos de aula para trazerem temas relacionados a matéria e o contexto, afim de serem discutidos na sala de aula, procurando, o professor, nessa abordagem inserir situações do dia a dia com as ações que serviriam para complementar o exemplo, além de incentivar o aluno à pesquisa, e a procurar outros meios e novas soluções para o tema abordado, interagindo entre outros alunos e profissionais já formados, proporcionando, cada vez mais, à aula se tornar dinâmica e proveitosa.

Cabe ao professor o cuidado ao exercer um poder sobre o aluno, pois pode gerar um desequilíbrio prejudicial à aprendizagem; tem de atuar de forma que se crie uma “relação de confiança” entre ambos como ponto crucial na aprendizagem, em que o sucesso e o fracasso escolar estarão diretamente ligados à existência ou não de uma relação de confiança no contexto escolar.

Dar Certo ou Errado, como intitulamos, dependerá de que ambos, aluno e professor se complementem, sendo o aluno aquele que, na busca do conhecimento, terá junto ao professor uma fonte renovável que servirá para ambos se atualizarem nessa experiência.

"A suprema arte do Professor é despertar a alegria na expressão criativa do conhecimento, dar liberdade para que cada Estudante desenvolva sua forma de pensar e entender o mundo, assim criamos pensadores, cientistas e artistas que expressarão em seus trabalhos aquilo que aprenderam com seus Mestres"

Albert Einstein