Pesquisar este blog

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Utilizando a Estatística na Segurança do Trabalho

          A utilização da Estatística na Segurança do Trabalho vem de encontro com uma situação que para muitos profissionais acaba sendo um bicho de 7 cabeças.

          O fato é que quando alunos, tiveram esta matéria, onde a base teórica foi bem aplicada, porém a prática ficou a desejar pois não foram trabalhadas as aplicações no dia-a-dia.

             Muitos vêm a Estatística como somente o preenchimento da Planilha de Taxa de Gravidade e Taxa de Frequência.

             Esta visão acaba sendo um trabalho mecânico onde o preenchimento é efetuado automaticamente e ao final, nada se faz, isto é, não se interpreta os resultados mensais e muito menos suas consequências ao longo do trabalho.

        Da mesma forma, não aplicam a Estatística para outros tipos de avaliação e análises.


             Para que melhor se possa visualizar sua aplicabilidade, temos:

  1. O que se quer avaliar / mensurar ?
  2. Qual o objetivo da avaliação ?
  3. Que tipo de resultado pretende obter ?
  4. Como serão trabalhados estes resultados ?
  5. Qual meio de apresentação será aplicada ao resultado ?
  6. Que propostas serão geradas ?

           A Avaliação / Mensuração pode ser para:
  1. Coleta de informações já conhecidas;
  2. Coleta de informações desconhecidas;
  3. Avaliação de uma condição para identificação de Desvios;
  4. Avaliação de uma condição para identificação de Melhorias;
  5. Controle de informações;
  6. Controle e gerenciamento de resultados.
          
           O Objetivo pode ser para:
  1. Avaliação de um Sistema;
  2. Controle de informações;
  3. Controle e Gerenciamento de informações;
  4. Gerenciamento de informações.
                           
         A Proposta a ser elaborada para a tratativa de um resultado deve ter como base informações que demonstrem sua aplicabilidade e importância.

      Em seu conteúdo, o texto deve ser claro e objetivo, podendo ser utilizado gráficos, fotos, textos comparativos e o planejamento previsto, de forma detalhada.
          Para reflexão deixo o texto abaixo.

Um Cego em Paris

Dizem que havia um cego sentado na calçada em Paris, com um boné a seus pés e um pedaço de madeira que, escrito com giz branco, dizia: 

- "Por favor, ajude-me, sou cego".

Um publicitário, da área de criação, que passava em frente a ele, parou e viu umas poucas moedas no boné. Sem pedir licença, pegou o cartaz, virou-o, pegou o giz e escreveu outro anúncio. Voltou a colocar o pedaço de madeira aos pés do cego e foi embora. Pela tarde o publicitário voltou a  passar em  frente ao cego que pedia esmola.

Agora, o seu boné estava cheio de notas e moedas. O cego reconheceu as pisadas e lhe perguntou se havia sido ele quem  reescreveu seu cartaz, sobretudo querendo saber o que havia escrito ali.

O publicitário respondeu: "Nada que não esteja de acordo com o seu anúncio, mas  com outras palavras".

Sorriu e continuou seu caminho. O seu novo cartaz dizia:

- "Hoje é Primavera em Paris e não posso vê-la". 

Mudar a estratégia quando nada nos acontece... pode trazer novas  perspectivas. Precisamos escolher a forma certa de nos comunicarmos com as pessoas.

“Não adianta simplesmente falarmos, antes precisamos conhecer a  melhor mensagem para tocarmos,  sensibilizarmos, convencermos as pessoas”.

Lembre-se que:

"A vida é uma peça de teatro que não permite ensaios. Por isso,  cante, chore, dance, ria e viva intensamente antes que a cortina se feche e a peça termine sem aplausos."
(Charlie Chaplin